Ensino Fundamental

Nesse segundo setênio de vida, a criança desenvolve sua vida emocional e sua ligação com o mundo e com as pessoas. Em seu dia-a-dia, ela necessita fundamentalmente de ritmo e também precisa aprender os conteúdos através de uma ligação com seus sentimentos. Aquilo que uma criança não vivencia, aquilo com que ela não se envolve ou não pode estabelecer uma ligação afetiva, será algo meramente decorado ou mecânico e tenderá a ser esquecido com o tempo. Por este motivo, o currículo desenvolve suas matérias de forma que os alunos possam integrar em seu aprendizado: o desenvolvimento do querer (atividades do fazer), do sentir (poesia, arte e música relacionadas aos temas que tocam interiormente a criança e que estão de acordo com sua idade) e o desenvolvimento do pensar. Nesse último, o objetivo é criar condições para que a criança aprenda a pensar e não simplesmente decorar as respostas acertadas. Por fim, atividades práticas – como trabalhos, viagens – levarão os alunos à aplicação concreta dos conhecimentos.

Currículo Waldorf

Como é o curriculum Waldorf para o Ensino Fundamental?

Inicia-se normalmente entre os 6½ a 7 anos de idade, devido à compreensão dos prejuízos que a intelectualização precoce causaria ao desenvolvimento harmônico das crianças. Despertar a criança para o ambiente. Despertar o anímico de modo que ela aprenda realmente a ligar-se com o meio circundante através de muito movimento e fantasia

Língua materna – falar, escrever, ler

As letras são apresentadas numa forma imagética de linguagem. As crianças desenham formas retas e curvas que podem ser percebidas por elas na natureza e nas construções humanas. Pintam simplesmente em função da vivencia das cores. Então passam do desenhar para o escrever e para o ler. Em poesia, poemas breves se faz sentir ritmo, rima e compasso. Conteúdo narrativo: contos de fadas.

Aritmética

Após o início do ensino da escrita e da leitura começam, um pouco mais tarde, com a quantificação e com a qualidade de cada número “As crianças são levadas a perceber onde podemos encontrar o número 3: por exemplo, nascimento, vida e morte. Passado, presente e futuro; manhã, tarde e noite; começo, meio e fim; terra, ar e água; três reinos da natureza; as três cores primárias: vermelho, amarelo e azul.”  E finalmente as quatro operações, vinculadas à qualidades humanas como juntar através do esforço, multiplicar com sabedoria para doar e dividir com justiça.

O currículo neste ano atende a um pensar vivo, ordenado, que ganha organização e revitaliza , pois a criança quer aprender e entender a vida pela sua essência, e de maneira verdadeira nesta fase da vida .

Língua materna

Ensinar as primeiras noções de substantivo, adjetivo e verbo. Abordar a construção de frases simples. Neste ano a linguagem se situa entre o movimento e o pensamento enquanto o pensamento se desenvolve lentamente através da fala. É exercitada a beleza da língua através de poesia e das fabulas. Percebemos que a aprendizagem da língua ainda está de certa forma, ligada à corporeidade e a criança vai ganhando percepções de lateralidade e de espacialidade. Introduz-se agora a escrita da letra bastão minúscula.

Conteúdo narrativo: histórias de santos e fábulas onde a criança pode vislumbrar a força interna capaz de sobrepor-se aos impulsos, reações e sensações do seu ânimo.

Dentre os conteúdos a serem trabalhados com uma classe de 2.º ano, como o desenho de formas, também são desenvolvidas as primeiras percepções das ciências, como nas épocas do cilco da Água, Natureza e do Tempo. “O ciclo da água pode ser contado de maneira lúdica: uma gotinha d’água encontra a outra, elas formam a nuvem, caem na chuva, entram na baleia, são expelidas e assim por diante.”

 

Aritmética

Conduzir as quatro operações adiante, para um espaço numérico maior. Resolver tarefas fáceis com os alunos. Inicialmente os números devem referir-se a coisas, para depois serem tratados abstratamente, também é apresentado o universo relacionado ao tempo, às horas e ao calendário.

Imaginação, admiração e criatividade – O mundo é belo

Neste ano escolar abordamos como principal tema a capacidade que o ser humano tem de transformar o mundo. As profissões primordiais são trazidas por meio do Antigo Testamento, do estudo das profissões em que o fazer pode ser observado empiricamente. Como a criança aprende fazendo, há muito trabalho prático. Os alunos plantam, colhem, fazem pão e visitam diferentes artesãos, como ferreiro, marceneiro, oleiro. Também aprendem sobre os tipos de moradia dos animais e de vários povos. Esse aprendizado pode se concretizar com a construção de algo na escola e com produção da maquete de uma casa. Nessa idade, a criança vivencia uma crise, definida por Rudolf Steiner como o “rubicão dos 9 anos”. Ocorre um despertar mais consciente do eu. O currículo do 3º ano contribui para que o aluno atravesse esse período, importantíssimo, com bons alimentos anímicos. As atividades propostas ao longo de todo o ano proporcionam a segurança necessária para que a criança aprenda a se relacionar consigo própria e com o mundo.

 

É Somente a partir do 9º ano de vida, no 3º ano escolar, até por volta do 12º ano de vida, que passamos a desenvolver mais a autoconsciência. E fazemos isto na gramática tratando principalmente da morfologia.

A Idéia dos tipos de palavras, das partes da frase e da construção de uma frase, incorporando a pontuação. Em poesias, trazemos ao sentimento a forma e a beleza intrínsecas. Conteúdo: histórias bíblicas como parte da história geral.

 

Aritmética

Neste ano trabalhamos as quatro operações com números mais complicados e já na utilização em coisas da vida prática, tal como haviam sido tratadas no segundo ano escolar, mas agora além dos cálculos mentais introduzem-se as contas armadas.

 

A criança do quarto ano se abre para olhar o mundo de forma mais consciente. Ela sai da sua “casinha” e olha para a rua, o caminho que percorre até a escola, a região que mora, a cidade etc. É assim que começa o estudo da Geografia e História, concomitantemente. Ela ouve sobre a história da sua cidade e do seu estado, e como tudo começou. Seu olhar também se expande para a Mitologia Nórdica e Mitologias Indígenas, enquanto história da humanidade.

Na Matemática a criança aprende sobre as frações. Ela aprende a fracionar o lanche, o bolo, a maçã, com os colegas. Ela exercita o compartilhar e a partir dessa vivência aprende as regras estabelecidas para as frações.

Na Língua Portuguesa, estuda os tempos verbais, olha para o passado (nossa história), o presente (onde nós estamos) e o que faremos no futuro. É a partir de suas vivências que compreende o conteúdo. É Introduzido a escrita com a caneta tinteiro e treinado a escrita com a letra cursiva. O aprimoramento da fala, leitura e interpretação também é feito através de pequenas peças teatrais. Assim como vivencia as transformações em si e no mundo, a criança também para a vivenciar na língua falada e escrita as variações dos verbos, pronomes, preposições, substantivos e adjetivos.

Nesse ano as crianças fazem o primeiro estudo mais consciente dos grupos de animais e do ser humano. São as épocas de Antropologia e Zoologia. Partimos da compreensão integral e trimembrada do ser humano, composto de cabeça, tronco e membros e a partir daí olhamos para o reino animal. Refletimos sobre a especialização do animal, que o torna tão bom no que faz, mas que também é sua prisão, pois ele não pode fazer algo diferente do que sempre fez. Em contrapartida o ser humano que na sua pouca especialização possui a liberdade e a capacidade de pensar que o capacita a ser e fazer o que quiser.

No 4º ano as crianças começam uma descoberta mais consciente do mundo, olhando para a relação delas com o mundo que as cerca. Compreendem um pouco mais desse mundo, mas ainda com calma. Todos os conteúdos devem vir a partir de imagens e vivências que alimentem essa fase do desenvolvimento da criança.

No 5º ano os conteúdos se expandem para as regiões do Brasil. Ritmos, danças, festas, músicas são vivenciados com grande variedade. Músicas provenientes de civilizações antigas como Pérsia, Egito, Grécia também são estudadas. A relação da criança de 11 anos com a Natureza é intensificada pela apresentação do mundo das plantas. A partir da observação, o educador pode levá-la a refletir sobre esse universo silencioso que vai além do visível, além da matéria, com suas leis de desenvolvimento, formas geométricas e metamorfoses. Partindo da relação da paisagem vegetal com seu meio ambiente, surge, por exemplo, a percepção da diversidade regional do Brasil. Através desta abordagem, tem-se o caminho para investigar as diferenças naturais e socioculturais.

 

Língua materna

A partir desse ponto, tomar em consideração a diferença entre a forma verbal ativa e a passiva. Levar a criança, não só a reproduzir livremente o acontecido e o ouvido, mas, sempre que possível, a apresentá-los em ordem direta. Exercitá-la também para que, na maneira de falar, ela leve em consideração sua própria opinião ou a opinião de outrem. Naquilo que fazemos escrever, suscitar uma forte diferença entre o que a própria criança pensa, viu etc., e aquilo que ela comunica a partir da boca de outrem. Em conexão com isso, aperfeiçoar o uso da pontuação. Continuar a desenvolver a escrita de cartas. Conteúdo narrativo: cenas da história antiga.

 

Matemática

Como no quarto ano escolar. Continuar o ensino de frações até a capacidade de se movimentar calculando livremente dentro de número inteiros, frações e números decimais.

O sexto ano da escola Waldorf é um momento de muitas transições. Sejam elas de ordem fisiológica ou psíquica. Tudo o que antes era muito normal, tranquilo e amado, agora passa a ser criticado. Um misto de solidão, reclusão e rebeldia permeiam os sentimentos deste adolescente.

Os alunos dão um passo em direção à puberdade. Sua alma – como um pêndulo – ficará entre a infância e a vontade de seguir para uma nova etapa. Para ajudá-las nesse processo de passagem, e também para auxilia-las a construir um julgamento correto, diante do que a vida lhes apresenta, o currículo é fundamentado principalmente nas seguintes disciplinas:

A Astronomia (graças à qual poderão olhar para o alto e perceber a infinita grandeza cósmica e sua relação com o ser humano) e a Mineralogia (por meio da qual aprenderão a olhar “para dentro” da Terra e conhecer as maravilhosas formações dos minerais).

A Física é iniciada com o estudo de acústica, ótica, termologia, magnetismo e eletricidade.

Em História vivenciam a Europa da Idade Média e percebem o cíclico processo histórico mundial de expansão (império Romano) e contração (como os feudos e a vida monástica).

Na Geografia estudam as Américas em todos os seus aspectos.

A Matemática traz as vivências da vida financeira com porcentagens e juros simples e a Geometria à mão livre dá lugar ao uso de instrumentos, momento em que os alunos começam a aprender a noção de ângulos e medidas.

A Língua Portuguesa avança nos âmbito da gramática com todos termos da oração e enfatiza a produção textual, presente em todas as disciplinas com a elaboração de relatórios e narrativas.

Nas artes, é iniciado o processo de luz e sombra ou desenho em preto e branco, que ajudará os alunos a lidarem as polaridades anímicas que influenciam o seu comportamento.

O 7º ano tem como pano de fundo as grandes navegações e o Renascimento. O jovem de 13 anos também traz em si a sede por descobertas e questionamentos sobre as verdades que lhe são apresentadas. Sentem necessidade de questionar a autoridade, ultrapassando os limites do que é conhecido ou permitido. Ele precisa ser conduzido de forma que desenvolva sua capacidade de julgar com isenção o que o mundo lhe apresenta. Observar o mundo de perspectivas diferenciadas e construir um raciocínio coerente.

O estudo do Renascimento, as grandes navegações e a história do Brasil são os temas centrais da História. O artista renascentista desejava ser reconhecido por seu próprio trabalho, o cientista desafiava velhas verdades com ferramentas recém desenvolvidas para medir o mundo, o rebelde religioso rejeitava os ditames da autoridade e desejava conhecer Deus diretamente. Da mesma forma, o adolescente é impulsionado por essas forças. Os temas renascentistas também se fazem presentes nas Artes, com trabalhos em perspectiva.

A Geografia acompanha as grandes descobertas e apresenta a África com todos os seus múltiplos aspectos.

Atendendo à necessidade de julgamento crítico do adolescente, além da Física, com ampliação dos temas abordados no 6º ano, apresentamos a Química, que traz a combustão, ácidos e bases. Tanto Física como a Química, são vivenciadas através de experiências relacionadas à vida cotidiana. A Biologia possibilita ao jovem compreender os processos vitais que permeiam seu corpo físico.

A Língua Portuguesa continua trabalhando as complexidades do discurso e aprofundando nas regras de ortografia, além de aprimorar a produção textual. A Matemática estimula o pensamento objetivo com a introdução à álgebra, a qualidade dos números negativos e positivos, radiciação, potenciação e equações simples.

O oitavo ano da escola Waldorf representa o fechamento do Ensino Fundamental, assim como do segundo setênio. No final do segundo setênio o jovem vivencia profundas transformações. Sua consciência desperta para o mundo à sua volta ao mesmo tempo em que para si mesmo, experimentando novas capacidades de raciocínio, podendo julgar e relacionar temas. Agora o jovem se torna mais maduro para compreender racionalmente os fenômenos e observá-los exteriormente. Por outro lado, sua capacidade imaginativa ainda precisa ser cuidadosamente cultivada com imagens plenas de significado. No âmbito físico começa a experimentar um enorme estirão e este crescimento físico faz com que se aproxime da vivência do músculo e de seus movimentos mecânicos.

Estudos trazidos neste ano pelo currículo Waldorf, através das ciências naturais, conduzem o jovem nesta nova fase. Aprimoram-se os conteúdos da Física , da Química e da Biologia, sempre partindo de experimentos em sala para a construção de conceitos.

A História e a Geografia trazem as grandes revoluções, guerras, avanços científicos e transformações mundiais como principais conteúdos. A história do Brasil é aprofundada seguindo a temática mundial.

A Língua Portuguesa traz as vivências das orações subordinadas e coordenadas, continuando o aprofundamento da morfologia e da sintaxe. Na Matemática intensificam-se os cálculos algébricos, equações do primeiro grau, sistemas de equação, além dos conteúdos ligados à Geometria.

O grande momento do oitavo ano é a produção de uma peça teatral para ser apresentada à comunidade no final do ano. Os alunos participam ativamente da encenação, direção, música, cenário e figurino. Ao se envolver com os personagens que interpretam, os jovens deparam-se com facetas do ser humano que podem servir de modelo e fonte de inspiração

Embora ainda faça parte do Ensino Fundamental, na escola Waldorf o 9º ano é o início do Ensino Médio. Assim como é o início do terceiro setênio. O Mundo é verdadeiro. Estimular o pensar é o grande desafio. No terceiro setênio (de 14 a 21 anos), o adolescente conquista o mundo das ideias, alimentado por um profundo idealismo. O jovem é crítico diante do que vê ao mesmo tempo em que busca maneiras construtivas de atuar no mundo.

Particularmente nessa fase, queremos compreender a realidade, encontrar princípios válidos e verdadeiros acima da moral e da estética. Agora já não existe a figura do professor de classe, os alunos são atendidos por vários professores e pelo professor tutor da turma. A responsabilidade de cada professor inclui a atitude de investigar, dirigir perguntas, além de sua postura ética. A busca pela autenticidade e verdade concretiza a procura do ideal de valores.

Agora, o ensino precisa estimulá-lo a refletir sobre a realidade externa e sobre si mesmo. Educar o pensar. Um  pensar que se liberte da massificação, dos preconceitos. Devemos buscar o desabrochar da individualidade.

Não importa que eu tenha uma opinião diferente da do outro, e sim que o outro venha a encontrar o certo a partir de si próprio, se eu contribuir um pouco para tal.

Rudolf Steiner, Viagens de aprofundamento

O currículo conta com todas as disciplinas da Base Curricular e outras complementares. O estágio agrícola  – os jovens vivenciam por uma semana a rotina e as atividades de uma comunidade agrícola- e a viagem de História da Arte – observação de obras de arte – compõem a grade curricular.

Diferenciais da Pedagogia Waldorf

``Nosso mais alto empenho deve ser o de desenvolver seres humanos capazes de, por eles próprios, dar sentido e direção às suas vidas``.

Cada grupo que ingressa no 1º ano tem um professor que o acompanhará durante os oito anos do ensino fundamental (em alguns casos, esse período pode ser menor).

Além de ministrar as matérias para as quais está apto, o professor de classe acompanha a turma nas viagens pedagógicas, mantém um canal aberto de diálogo com os pais de seus alunos, conduz as reuniões de classe e incentiva o elo entre as famílias, por meio de encontros, mutirões e passeios.

A aula de época, também chamada aula principal, acontece todos os dias nas duas primeiras horas da manhã, período em que, durante três ou quatro semanas, o professor mergulha num tema com seus alunos. Na sequência acontece uma pausa de 30 minutos para o lanche e o brincar livre no pátio. Depois têm início as aulas das matérias complementares, como inglês, alemão, trabalhos manuais, euritmia, marcenaria, música, desenho de formas, educação física, entre outras. Essas aulas são ministradas por professores especialistas em cada área.

O ensino em épocas possibilita que o conteúdo seja transmitido de forma não fragmentada ou desconectada do todo. Durante uma época de português, por exemplo, o aluno mantém um contato intenso com a matéria por cerca de um mês. Depois iniciará a época de história e terá chance de se envolver profundamente com o período estudado. Se for o Egito Antigo, o professor de classe pode propor que as crianças façam papiro, por exemplo. A época de astronomia, matéria que faz parte do currículo do 6º ano, normalmente é encerrada com uma viagem pedagógica para uma região em que seja possível observar as estrelas e reconhecer as constelações sem o uso de instrumentos. E assim as épocas vão se desenrolando ao longo do ano, seguindo o planejamento elaborado pelo professor de classe.

“Numa escola Waldorf, o ensino de música não é uma matéria isolada das demais nem deve servir exclusivamente para a aquisição de conhecimentos e habilidades musicais. O ensino da música, em conjunto com o de todas as outras matérias, está a serviço da formação humana de modo global.”
(trecho do livro A Educação Musical na Escola Waldorf, de Carl Albert Friendenreich, Editora Antroposófica)

A pedagogia Waldorf é multidisciplinar, interdisciplinar e transdisciplinar. O professor de classe estabelece, o tempo todo, múltiplas relações com as diferentes matérias. O processo tem a forma de uma espiral: em determinado nível da matéria, resgata-se o que foi dado anteriormente para que o tema ascenda a outro patamar.

As viagens pedagógicas são importantíssimas nessa proposta. Elas ajudam o professor a aprofundar com sua turma os conteúdos trabalhados em sala de aula. Servem também para tornar o conteúdo vivo. Ao olhar o mundo e estabelecer relações entre o que vê e o que está estudando na escola, a criança e o jovem desenvolvem o respeito, a admiração e a reverência diante da natureza e dos feitos do homem.

“Conhecendo o mundo, o ser humano encontra a si próprio. E conhecendo a si próprio, o mundo se lhe revela. (R.Steiner)”

Para atingir o aprofundamento dos conteúdos básicos (matemática, português, história, geografia, mineralogia, química, etc.) a aula inicial, a qual é ministrada pelo professor de classe, tem a duração de duas horas, e segue-se uma composição que visa trabalhar harmoniosamente o desenvolvimento do querer, sentir e pensar da criança. A aula compreende atividades que visam desenvolver habilidades: físico/corpóreas, imaginativas, de memória, de raciocínio lógico, de reflexão, artística, de dicção e outras.

É muito importante para a criança ter relações com a família, a escola e os amigos. Assim, é fundamental que se integre Família e Escola. Para tanto, são realizados encontros em que se conversa e se aprende sobre a criança. Cada professor de classe realiza reuniões bimestrais com os pais e dois encontros anuais de confraternização da classe, além de outros eventos, atividades e palestras na escola. Essas atividades objetivam os mesmos ideais: fazer da vida e do ensino que a criança recebe a melhor base para seu desenvolvimento harmonioso como ser humano. Toda Escola Waldorf tem como princípio a ativa participação dos pais na vida escolar de seu filho.

MATRICULAS

Formulário do processo de matrícula do ensino fundamental

ARTIGOS

Material de apoio para melhor conhecimento da Pedagogia Waldorf

× Como podemos te ajudar?